06 de jan

Mural de Guayasamin

Quito e Guayasamin (Equador)

Cada qual com sua metade.

DSC01605 300x225 Quito e Guayasamin (Equador)

  Estamos em Quito e eu cada vez mais impressionada com a cidade.

Resolvemos ficar aqui por quatro dias. Chegamos cedo e depois de instalados fomos a Agência de Viagens Metropolitan Touring especializada em Galápagos. O que ficou programado foi o seguinte: na sexta feira voaremos para Galápagos partindo de Quito, lá embarcaremos em um navio onde ficaremos hospedados. Navegaremos pelas ilhas e desceremos para conhecê-las. Voaremos de volta a Quito e daqui seguiremos direto de Troller para Guayaquil, 450km e, todos dizem, que levaremos de 6 a 8 horas de viagem. Lá ficaremos um dia e iniciaremos nosso retorno para o Brasil. A expectativa é grande. Acho que vai ser maravilhoso. Minha dúvida é se ficarei “mareada” ou não. Como o seguro morreu de velho, já comprei alguns remédios para evitar o problema. Só sei que, passando mal ou não, vai ser bom demais! Enquanto não embarcamos para Galápagos estamos passeando. Ontem fomos ao Teleférico que sobe a 4.100m. Fica localizado em uma das encostas do vulcão ativo Pichincha. De lá vimos a cidade toda. É uma cidade que tem a forma de uma banana, se estende pelo vale. Andamos um pouco e retornamos ao teleférico. Depois dali fomos a Capilla del Hombre o que considerei um dos pontos altos de nossa visita a Quito. Saí de lá maravilhada. Esta Capilla foi construída pelo famoso pintor Guayasamin (1919-99), do qual eu nunca tinha ouvido falar, sonhando com uma homenagem aos povos indígenas latino americanos os quais pacientemente durante 500 anos tentam resgatar seus valores, e à humanidade. Guayasamin chamou de Capilla (Capela) pois, imaginava que as pessoas que a visitariam, vendo as pinturas e os murais, se tocassem e meditassem sobre os temas ali expostos. O artista iniciou a construção em 1995 mas, infelizmente não viu seu fim pois morreu. A família e a Fundação Guayasamin concluíram a construção para que o sonho do artista se tornasse realidade. É uma construção retangular de três níveis muito semelhante a um templo inca. Parte do telhado é ocupada por uma cúpula, em forma de cone, revestida de cobre. Revestindo a parte interna desta cúpula há um mural inacabado que representa os indígenas bolivianos que morreram nas minas de prata de Potosi, mais de 8.000.000 em 240 anos. No altar da capela há uma chama permanente em defesa da Paz e dos direitos humanos. Há uma frase de muito significado “Mantenha a chama acesa que um dia voltarei”.

As obras são impressionantes e o mais impressionante é que nem eu e nem o Haroldo nada sabíamos deste artista espetacular. Uma dos mais impressionantes murais é o que se chama Os Mutilados sobre a Guerra Civil Espanhola. Ela é composta por oito pinturas separadas, de forma tal, que permite quase três milhões de combinações. A gente pode experimentar isso no computador. Outro impressionante é o Condor e o Touro (o Condor representa os povos andinos e o touro os espanhóis). Dá o que pensar. Mulheres em mutação, com crianças, famílias. Enfim… é uma coleção soberba, é o mínimo que posso dizer. Dali saímos ainda meio abismados para o Museu Guayasamin. Acho que a visita deve ser ao contrário, primeiro o Museu depois a Capilla pois esta se sobrepõe a qualquer outra coisa. A coleção de esculturas pré colombianas foi doada pelo artista ao povo de Quito assim como sua coleção de arte religiosa. O dia estava encerrado. Hoje fizemos um tour guiado pela Cidade Antiga. A cidade é protegida pela UNESCO, basta dizer que o próprio Holiday Inn, onde estamos, teve que aproveitar a casa que existia e incorporá-la ao edifício moderno do hotel propriamente dito. Ficou uma mistura bonita. Bem, como eu estava falando, as construções espanholas com balcões e arcos são muito bonitas. As igrejas são também impressionantes. A da Companhia de Jesus é revestida por sete toneladas de ouro em folha. Passeamos pela Plaza Grande, onde está o Palácio do Governo, a Catedral, o Palácio Arcebispal e vai por aí, é muita coisa bonita e com muita história. Mais tarde fomos a Metade do Mundo. Este foi o lugar onde cientistas em 1736, através de estudos e medidas, demonstraram que naquele ponto estava o mundo dividido em duas metades pela Linha do Equador, Latitude 0°. Há um enorme monumento trapezoidal, de pedra, com um grande globo no alto. Dali parte uma espécie de avenida ladeada com os bustos das pessoas que participaram do estudo. Uma linha amarela indica a Linha do Equador. Muitas fotografias foram tomadas.

Amanhã iremos a Otavalo, uma cidade próxima onde, dizem estar, a maior feira de artesanato da América do Sul. Vamos conferir. Depois de ver Chichicastenango, na Guatemala, acho muito difícil uma feira igual. Em Quito a chuva parou, o clima está gostoso, foi uma manhã de muito sol. Talvez eu só volte a escrever de Galápagos. Estamos ótimos.

 

Obs: Participe desta aventura lendo as diários anteriores. Pegue um mapa e veja onde estamos. Fica melhor. Tudo de bom a todos, Heloisa.

5 respostas a Quito e Guayasamin (Equador)

  1. Herialde Maria Nogueira Bessa disse:

    Queridos estamos felizes com as noticias.
    Da para sentir a alegria e o quanto maravilhsdos estão.Fizemos nosso filme, de tão bem voce descreve tudo.
    Admiramos muito a coragem e determinacão do casal.
    Abracos dos amigos hermanos, e feliz Galapagos.
    Dade e Ernanes

  2. Paulo Zanetti - Ieda Miranda disse:

    Estamos acompanhando com interesse o seu relato, pois faremos o MN Santa Cruz 8 dias na páscoa e já estamos pegando dicas de quito, onde ficaremos tb 4 dias.
    Bom passeio para vocês.

  3. Regina azevedo disse:

    Helô

    Estou maravilhada com a viagem de vocês, já sonhando com este roteiro.
    Desejo-lhes sucesso em todo percurso até a volta à terrinha.

    Beijo

    Regina

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>