04 de jan

Catedral de Cuenca-Equador

Encantada com o Equador – Cuenca.

 Que venha o Ano Novo!

DSC01524 300x225 Encantada com o Equador   Cuenca.

Realmente estou encantada com o Equador. As pessoas são extremamente gentis. Imaginem que entramos no país sem mapas, sem mapa atualizado no GPS, só em cima daquele ditado que minha avó gostava muito “quem tem boca vai a Roma”. Sempre nos informavam com toda boa vontade e, de vez em quando, nos faziam segui-los até a entrada ou saída de uma cidade ou em busca de uma atração turística.

O Equador é um país pequeno, um dos menores da América do Sul, de norte ao sul são 1.081km e fica ao norte e ao sul do Equador, daí o seu nome. Com uma população de 13 milhões de habitantes, tem como idioma principal o Espanhol, mas a população indígena fala o Quechua, na verdade é bilíngue. São quatro as regiões e, pelo que vimos, ao rodar pelo país, elas são bem distintas: a Costa, os Andes, a Amazônia e Galápagos. Conhecemos bem as terras altas dos Andes e, nos próximos dias conheceremos Galápagos. Das terras altas dos Andes, ao compararmos com as do Peru e Bolívia, podemos dizer que há uma enorme diferença, aqui os Andes são verdes e plantados centímetro a centímetro, principalmente nas encostas dos vulcões.

Entramos no Equador por Chacras. Nos disseram que a fronteira de Huaquillas era complicada, mas em Tumbes nos informaram que havia um posto fronteiriço organizado e que estava funcionando. Fomos por ele. Realmente bem tranquilo. A primeira cidade seria Cuenca já nos Andes. Abandonamos a Pan Americana e começamos a subir. Inicialmente, de um lado e outro da estrada, grandes bananais, depois a estrada foi ficando mais difícil pelas chuvas. Houve um grande desabamento da encosta e tivemos que utilizar um desvio com muita lama. Felizmente passou uma pequena caminhonete que nos serviu de guia. E assim chegamos a Cuenca, debaixo de uma chuvinha fina e muito frio. Cuenca fica a 2.500m de altitude. Passamos pela Praça principal que, aqui, é a Praça Principal mesmo, e não Plaza de Armas como em todo o Peru e Bolívia. O serviço de informações turísticas, impecável, se incumbiu de telefonar aos hotéis que estavam dentro da nossa faixa. O Hotel Victória foi um achado. Me apaixonei de cara. Ele fica ao nível da rua, mas como o terreno é inclinado, os andares se distribuem para baixo, de forma tal que o topo das árvores entrava na janela do nosso quarto e no banheiro. Ficamos três noites em Cuenca. Santa Ana de los Ríos de Cuenca, uma cidade linda!. Seu Centro Histórico maravilhoso é Patrimônio da Humanidade. Foi em Cuenca que ficamos sabendo de detalhes da moeda equatoriana. A economia foi dolarizada há um tempo atrás e o governo mandou produzir uma série de moedas que tem o mesmo valor do dólar e são aceitas juntamente com as do dólar americano. Achamos também muito esquisitas as notas de cinco dólares com um cinco bem grande cor de rosa. Em Cuenca nos informaram que era também uma série especial. Em Quito nos disseram que não, de forma tal que estamos sem saber se as notas de cinco dólares só valem aqui ou não. Cuenca tem um montão de igrejas, impressionante. A que mais me impressionou foi a nova Catedral, de 1880, pelo contraste do Gótico de suas fachadas e o estilo Renascentista de suas cúpulas. E como ficou bonita! Os tijolos, as rosetas, os vitrais e as cúpulas de pastilhas da Checoslováquia. Sensacional! No dia 31 de dezembro estávamos passeando pela cidade, pelo mercado, pelas praças cheias de flores e nos chamou atenção a quantidade de bonecos, como nossos Judas, amontoados pelas ruas, montes de máscaras de papel maché. Será que o Judas é queimado no Ano Novo? Essa era a nossa dúvida. A explicação, dada por uma senhora, que vendia bonecos, foi que é um costume em todo o Equador e se chama “Año Viejo”. Logo, os bonecos representam o ano que está terminando. Sobre “o rosto” são colocadas as máscaras de papel reciclado representando políticos, jornalistas, figuras internacionais ou personagens de destaque do ano. Esses bonecos, recheados de fogos de artifício são queimados durante a noite. Matam o Ano Velho! É esquisito ver aquele amontoado de bonecos jogados e amontoados, como pessoas. Bem, à noite passeamos pela Praça e voltamos para o Hotel. No dia seguinte partimos para os vulcões.

7 respostas a Encantada com o Equador – Cuenca.

  1. Lucas Cunha disse:

    Puxa mãe, estive a alguns anos em Cuenca tambem. Aí existe um mercado onde serve o melhor “chancho ornado” dos Andes. Espero que vc tenha ido lá.
    Quando fores para Guayaquil comerás os melhores ceviches do mundo. sabe que a maioria das pessoas acham que o ceviche é uma invençao peruana, mas os equatorianos juram de pé junto que é uma autêntica comida equatoriana. Já que vc está aí, decifra esse enigma.
    bjs e divirta-se.
    Seu filho que te ama
    Lucas

    • Heloisa disse:

      Olá querido, não comemos o tal chancho mas, temos comido ceviche de tudo quanto é jeito. Em Guayaquil tentaremos comer o melhor ceviche. Estamos bem. Quito está fria e chuvosa. Hoje passeamos pelo Centro Histórico, achei lindissimo. Ontem fomos a Capilla del Hombre e fiquei impressionada com o pintor Guayasmin. Espetacular, mas leia o próximo diário. Sou como Sheherazade aquela das Mil e uma Noites, está lembrado? Um grande beijo. Te amo muito também, mamãe.

  2. sergio disse:

    Dona Heloisa, planejo ir em 20120 na transiberiana, porém alugando um carro na Russia. Já conheço S. Petersburgo e Moscou. A Senhora tem algúm contato com essa experiencia de viagem?
    Moro em Santa Maria, RS, tenho 67 anos e seu site foi um grande estímulopara este projeto. Abraços e obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>